Pesquisar

Carregando...

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Forças armadas russas

As Forças Armadas da Federação Russa representam numericamente hoje somente 5,2% do efetivo militar do planeta, os EUA detém a liderança com 39%, a China em segundo com 9,5% e a Rússia ocupa o terceiro lugar.
*
Com o fim da URSS e a crise financeira que se abateu sobre o país, a Rússia passou ao menos 15 anos com o orçamento militar reduzido, deixando assim grande parte da herança militar soviética se deteriorar, mas com o crescimento da economia russa à partir de 2008, muitas reformas estão sendo realizadas, desde a modernização do arsenal soviético, criação de novas parcerias militares, desenvolvimento de novas armas e exercícios militares.
Parada militar na Praça Vermelha, comemorativa do Dia da Vitória, em 09 de maio de 2013
*
Contudo apesar de não ser numericamente significante para o mundo em termos de efetivo de tropas, aviões e navios, a Rússia mesmo nos anos de crise, não abriu mão de sua única garantia de defesa, suas armas de destruição em massa. Em se tratando de armas atômicas, a Rússia representa 50% de todo arsenal nuclear mundial da atualidade.
*
Mapa das nações com armamento nuclear (gráfico comparativo)
*
Mesmo com um orçamento militar anual de apenas 13,7% do total anual gasto pelos EUA com suas forças armadas, a Rússia mantém ainda uma grande quantidade de armas nucleares. Em detrimento dos outros setores das forças armadas, a Federação russa ainda detém o título de maior potência militar nuclear do mundo, com cerca de 8.500 ogivas, os EUA ficam em segundo lugar com cerca de 7.700 e a China em terceiro com uma quantidade próxima a 250 ogivas. Entretanto, é conveniente ressaltar que o número exato de armas nucleares é difícil de se dizer com exatidão, visto que a grande maioria das ogivas nucleares tanto russas como norte americanas estão montadas em mísseis cruzadores táticos, que não são contabilizados pelo New START, Tratado de Limitação de Armas Estratégicas, assinado em 2010.
*
Divisões da Armada Russa
As Forças Armadas da Federação Russa se dividem atualmente em Força Aérea, Forças Terrestres, Marinha, Divisão de Mísseis Estratégicos, Forças de Defesa Aerospacial e Divisão Aerotransportada. Se somadas juntas, possuem um gasto anual de 90,7 bilhões de dólares, que representa cerca de 2,75 vezes o orçamento militar anual brasileiro. Ao todo a Rússia possui cerca de 1,4 milhões de militares, com mais 2 milhões na reserva. As forças armadas russas são comandadas pelo presidente Vladimir Putin, pelo ministro da defesa Sergey Shoigu e pelo chefe do estado maior Valery Gerasimov.
*
Força Aérea Russa 
VVS - Военно-воздушные cилы России, Voyenno-Vozdushnye sily Rossii
Bombardeiros estratégicos Tu-160 na Base de Engels
*
A Força Aérea Russa é a segunda maior do mundo, com um efetivo pessoal entre 170 e 183 mil pessoas e 4000 aeronaves. Apesar de possuir uma quantidade grande de aeronaves, devido à falta de verbas, somente uma pequena quantidade (em torno de 33%) está atualizada, outros 33% estão ainda voando com tecnologia 100% soviética e cerca de 33% nem possuem condições seguras de voar. A VVS hoje possui três divisões, a Aviação Estratégica, que utiliza bombardeiros de longo alcance e aviões de reabastecimento, a Linha de Frente, ou aviação tática, que utiliza aviões de combate e ataque, além de sistemas de defesa e a aviação de transporte ou VTA (Voyenno Transportnoy Aviatsii).
*
Sistema anti aéreo e anti míssil S-300V4 disparando um ABM 9M82M
*
A VVS (Força Aérea Russa) também possui uma grande quantidade de mísseis anti aéreos de defesa, que fazem parte da Linha de Frente. Em sua maioria são do modelo S-300 (acima), com 1900 veículos, cada qual equipado com quatro mísseis, mas a VVS vem também recebendo hoje novas versões de mísseis como os S-400 e o mais recente Sistema Vityaz de Defesa.
 *
 Sukhoi Su-30SM antes de ser entregue à VVS
*
Mesmo ainda com dificuldades, a VVS recebe anualmente cerca de 150 aviões novos ou modernizados para os padrões atuais. O programa russo de modernização da força aérea se iniciou em 2007/2008, ganhando mais força à partir de 2009. Está previsto ainda que mais de 60% das aeronaves soviéticas sejam ainda desativadas até o ano de 2020.
*
Forças Terrestres da Federação Russa
Сухопутные войска Российской Федерации, Suhoputnye Voyska Rossiyskoy Federatsii
O exército russo, o como é conhecido por lá "Forças Terrestres da Federação Russa" tem grande experiência em combate desde a época da 2° Guerra Mundial, com táticas aprendidas durante a árdua batalha conta a Alemanha Nazista. Durante os anos da Guerra Fria que sucederam a segunda Grande Guerra, o exército soviético foi o maior exército do mundo, criando uma série de divisões e ramificações dentro do território da URSS.
*
Com o fim da Guerra Fria e a crise financeira que se abateu sobre a Rússia nos anos 90, uma grande redução de verbas foi aplicada ao enorme exército vermelho. Com o orçamento mínimo e a grande procura por armas confiáveis e de baixo preço, surgiu então um "mercado negro" de armamento militar pesado. Vários países e exércitos independentes recorreram aos corruptos militares do exército russo para a aquisição de armas sem o consentimento da ONU.
*
  Depois da saída do presidente Bóris Yeltsin em em 31 de dezembro de 1999, o governo do atual presidente russo Vladimir Putin optou por uma redução e reforma geral no esquecido exército russo. Nos anos seguintes houve uma grande redução de divisões, equipamentos e cargos militares do exército. No contingente pessoal, a redução chegou a 87% do efetivo de 1999, sendo que hoje o Exército Russo possui apenas 380 mil militares e cerca de 35 mil peças de artilharia.
*
video
Lançamento de mísseis e foguetes do exército russo
*
Mesmo ainda possuindo mais tanques de combate e mais peças de artilharia que qualquer país no mundo, o exército russo tem uma quantidade pequena de soldados, se comparado atualmente aos numericamente grande exércitos atuais, como o chinês, maior do mundo com 2.285 mil pessoas, o norte americano (1.105 mil), o norte coreano (1.106 mil) e o indiano (1.130 mil). Para compensar a defasagem de pessoal, o Exército Russo emprega uma grande quantidade de armas pesadas e de longo alcance, como baterias de foguetes, mísseis táticos e mísseis semi balísticos, como se vê no vídeo acima.
*
Tropas Aerotransportadas - VDV
Vozdushno Desantnye Voyska, ВДВ, Воздушно-десантные войска
Acima um Il-76 da VDV
*
A VDV, ou Divisão Aerotransportada é a versão russa do US Marine Corps (USMC), ou seja a versão dos Fuzileiros Navais como são conhecidos aqui no Brasil. Diferentemente dos EUA e do Brasil que utilizam-se de navios para o desembarque da maior quantidade de tropas, a Rússia herdou desde a época da URSS a desembarcar suas tropas via aeronaves.
*
A Divisão Aerotransportada Russa que possui cerca de 35.000 militares se reporta diretamente ao Comando da Marinha Russa, contrariando assim informações equivocadas pela net sobre a hierarquia das Forças Armadas Russas. A base da filosofia usada pela VDV vem desde que a URSS se considerava um "gigantesco porta-aviões" no meio do mundo.
*
Acima, paraquedistas em um exercício militar da VDV
*
A finalidade principal da VDV é a resposta rápida a um evento militar, ou seja, utilizando se da estratégia russa, um Ilyushin voando a 750 km/h é mais rápido que um navio no mar a 35 km/h.
*
Apesar de grande parte dos 3.000 blindados da VDV serem desembarcados em solo, alguns modelos mais leves podem ser lançados também por paraquedas, como se vê na imagem acima. Além dos veículos blindados de combate, a VDV ainda dispõe de aproximadamente 2.500 peças de artilharia rebocada e aproximadamente a mesma quantidade de caminhões.
*
Com 200 Ilyushin Il-76 (acima) e mais alguns aviões menores e helicópteros, a VDV ainda possui a encomenda de mais 48 novos Il-76MD-90A a serem entregues até 2020.
*
Divisão de mísseis estratégicos
Ракетные войска стратегического назначения
video
Hoje a maior quantidade de ogivas nucleares do mundo ainda pertence à Rússia, grande parte dessas ogivas estão na Divisão Estratégica de Mísseis, cerca de 70% das ogivas de ICBM são heranças da URSS, assim como 100% das ogivas norte americanas de ICBM também são herança da época da Guerra Fria.
*

Acima o ICBM UR-100N soviético, com alcance de 10.000 km e seis ogivas nucleares de 550kt cada.
*
Todos os mísseis balísticos intercontinentais (ICBM - Inter Continental Ballistic Missile) utilizados pela Rússia são administrados pela Divisão de Armas Estratégicas. Ao todo três quartéis generais se subdividem em quatro bases de lançamentos por silos, dois aeroportos para o transporte de ICBMs e sete divisões móveis, somando um total de 434 mísseis.
*
Acima o ICBM Topol-M, de fabricação russa. O Topol-M (RT-2UTTKh) que entrou em serviço em 1997, é um derivado do Topol (RT-2PM) soviético que também é usado hoje pela Rússia. As armas balísticas móveis foram criadas como uma resposta russa ao Projeto Guerra nas Estrela norte americano que nunca existiu. Com os lançadores de mísseis em movimento, a localização desses alvos por um sistema espacial de monitoramento fica praticamente impossível.
*

O míssil balístico intercontinental (ICBM) R-36 acima é hoje a maior e mais poderosa arma que existe no mundo. O projeto R-36 data de 1974, porém a versão usada hoje em dia pela Rússia é o R-36M2 de 1988, que transporta 10 ogivas de 800kt, com velocidade de 28.000 km/h a uma distância de 11.000 km. Além das ogivas, o R-36M2 transporta ainda uma quantidade de "iscas", ou seja, ogivas falsas com a intenção de enganar os sistemas anti mísseis ocidentais.
*
video
Divisão de ICBM móvel
*
Mesmo tendo 16 mísseis ativos a menos que os EUA, a Rússia tem uma maior quantidade de ogivas em serviço, que lhes garantem o poder de veto na ONU e a segurança nacional dentro da estratégia de defesa atual no mundo.
*
Força de Defesa Aerospacial - VKO
Войска воздушно-космической обороны, Voyska Vozdushno-Kosmicheskoy Oborony
Desde os anos 60, do início da corrida espacial, a URSS vem monitorando o espaço com as Forças de Defesa Aerospacial. A maior parte do equipamento soviético construído no fim da Guerra Fria continua em serviço. Quando Ronald Reagan espalhou pelo mundo o boato do "Projeto Guerra nas Estrelas", forçou a URSS, na época, a construir um imenso complexo de defesa aerospacial.

A defesa aerospacial russa atual tem nove complexos de observação, quatro divisões anti míssil, a base de lançamento de foguetes Plesetsk, usada também para lançamentos civis, e o polígono de tiros de Kura ao norte da Península Kamchatka.
*

Recentemente a VKO (Força de Defesa Aerospacial) vem recebendo novos complexos de radares de observação espacial. Diferentemente dos antigos modelos soviéticos do final dos anos 80, os novos complexos são totalmente informatizados, fornecendo dados aéreos tanto de dentro da atmosfera como espaciais. Tais sistemas possuem alcance de 5.000 km ou mais.
 Os dados obtidos pelos complexos de observação são monitorados por três centrais de controle, sendo uma delas o Comando Espacial de Alerta, que também administra a Força Aérea Russa. Além da observação espacial, a VKO também utiliza uma grande quantidade de satélites para monitoramento do planeta Terra.
*
Os satélites militares russos são utilizados para observar a posição de armas balísticas norte americanas, monitorar atividades da USAF e da US NAVY, assim como forças da OTAN e de outros países, em sua maioria na linha do equador ou no hemisfério setentrional. Esses satélites mantém a Rússia informada em relação a toda atividade militar da OTAN e dos EUA.
Foguete espacial Proton-M para o lançamento de satélites
*
A VKO é responsável por todo lançamento de satélites militares russos, e assim detém hoje o record de lançamento de foguetes militares por ano. Grande parte do sistema de posicionamento global russo GLONASS também é lançado sob supervisão da VKO.



Foguete espacial Soyuz e o pessoal da VKO
*
 Inúmeros foguetes espaciais são utilizados para esse fim, dentre eles, estão as Soyuz (acima), que também são usadas para o transporte de astronautas à ISS. Hoje em dia a Soyuz é o único veículo tripulado espacial em operação no mundo, e devido aos problemas que a NASA vem sofrendo com seus projetos, a Soyuz ainda permanecerá por muito tempo sendo o único meio de transporte do homem para o espaço.
 Acima o lançamento de um ABM (anti ballistic missile) do complexo A-135, próximo de Moscou. O sistema A-135 é uma das divisões anti míssil da VKO. Atualmente o A-135 utiliza-se do anti míssil 53T6 (acima), que é testado todo ano.
*
Marinha russa - VMF
Военно-морской Флот Российской Федерации - ВМФ России, Voyenno-morskoy Flot Rossiyskoy Federatsii -VMF Rossii
A Marinha Russa hoje conta com o 2° lugar dentre as maiores marinhas do mundo, considerando a tonelagem total dos navios e submarinos, além do potencial das aeronaves em serviço. Ao todo a VMF (Marinha Russa) dispõe hoje de 260 navios e 62 submarinos, dentre esses últimos, 33 nucleares, além de uma série de sistemas de defesa costeiros, em sua maioria lançadores de mísseis cruzadores e canhões auto propulsados.
*

Hoje a VMF está equipada com uma grande quantidade de armas nucleares, sendo assim bem diferente da US NAVY que é centrada no uso de gigantescas forças tarefa, baseadas em um super porta aviões, com a intenção primordial de intimidação de massas, utilizando se de força de ataque convencional. A Marinha Russa tem um insignificante potencial de ataque convencional, porém é dotada de grande capacidade nuclear de ataque.
*
 Tupolev Tu-22M3 com mísseis Kh-22
*
Desde a época da URSS, a função da marinha sempre foi a caça aos super porta aviões e aos numerosos submarinos de ataque norte americanos. Para isso foi desenvolvida durante anos uma tecnologia própria e única, direcionada a guerra anti submarina e anti navio. A Rússia herdou grande parte disso, tanto das armas como da tecnologia, assim ainda constroem submarinos de combate e utilizam bombardeiros supersônicos armados com mísseis cruzadores, assim como o Tu-22M3 da imagem acima.
*
Hovercraft de desembarque da Classe Zubr
*
A Marinha Russa conta hoje com um efetivo pessoal de 133 a 140 mil pessoas e cinco frotas navais distintas, sendo elas a Frota do Norte, baseada em Severomorsk e Murmansk, no Mar do Norte; a Frota do Pacífico, baseada em Vladivostok e Petropavlovsk Kamchatsky; a Frota do Mar Negro, com sede em Novorossiysk e  base na República Autônoma da Criméia; a Frota do Mar Báltico, em Baltiysk e Kronstadt; e a Flotilha do Mar Cáspio, em Astrakan e Makhachkala.
*
Mísseis cruzadores
Крылатая ракета
Acima um Tupolev Tu-160 e seus mísseis cruzadores Kh-55SM
*
Mesmo não sendo uma divisão em específico da Armada Russa, a Rússia possui hoje a maior variedade e quantidade de mísseis cruzadores dentre todas nações do mundo. Desde a época da Guerra Fria, vários mísseis tipo cruise (cruzadores) foram criados na URSS para inúmeros propósitos, sendo em sua maioria, herdados pela Rússia.
*
Lançamento submerso de um míssil P-700 Granit à partir de um submarino nuclear da Classe Antey
*
Os mísseis cruzadores russos são utilizados mesmo antes do mundo conhecer sua eficácia durante a Guerra do Golfo, quando a US NAVY fez uso do famoso Tomahawk contra alvos terrestres iraquianos. Os mísseis cruzadores de fabricação soviética começaram a serem utilizados por países árabes nos anos 60 em conflitos com Israel.
*
Missil cruzador russo Klub 3M-14E, similar ao Tomahawk
*
Atualmente a Rússia possui mísseis cruzadores em serviço tanto na Marinha como na Força Aérea, suas funções básicas são a destruição de alvos fixos em solo e navios. Grande parte desses mísseis são supersônicos, desenvolvidos com o intuito de utilizar-se da alta velocidade para burlar os sistemas de defesa ocidentais.
*

Acima um P-500 Bazalt, anti navio, sendo disparado pelo cruzador russo Moskva.
*
É importante ressaltar que muitas das numerosas ogivas nucleares que a Rússia herdou da URSS ainda estão ativas e montadas nesse mísseis cruzadores.
*
Кто на Русь с мечом придёт, от меча погибнет!
Quem à Rússia com a espada surgir, pela espada perecerá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário