Pesquisar

domingo, 19 de junho de 2011

Mig-25R o avião mais rápido do mundo

Você sabe qual é o avião mais rápido do mundo atualmente ?
 É o Mig-25RB um avião de reconhecimento produzido na época da URSS, em velocidade máxima a aeronave atinge 3400 km/h, ou seja 96,3% da velocidade do recordista em absoluto SR-71 Blackbird americano, que já não está em serviço a 13 anos.
 O Mig-25RB assim como seu rival americano tem como finalidade o foto-reconhecimento a grande altitude e velocidade, serviço que atualmente é realizado em sua maior parte por satélites. A grande diferença entre a utilização da aeronave e o satélite é a previsibilidade do satélite, que como orbita a terra passa sempre e em mesma hora no mesmo local, já a aeronave é imprevisível para o inimigo.
 Os EUA desativaram o Blackbird devido ao elevadíssimo custo operacional e obsolência da aeronave perante os SAM estratégicos em uso pela URSS desde o início da década de 80.
A Rússia ainda mantém o Mig-25RB em serviço pois operacionalmente ele é muito mais econômico que o Blackbird e os atuais mísseis anti-aéreos (SAM) ocidentais utilizados pela OTAN tem uma capacidade relativa de eficácia contra essas aeronaves.
 Desenvolvido inicialmente como interceptador, contra bombardeiros estratégicos supersônicos, o Mig-25 foi responsável por inúmeras polêmicas entre as duas superpotências. O primeiro vôo da aeronave foi em 1964, em 1970 o avião já estava totalmente operacional na VVS.
  Em julho de 1967 a aeronave foi mostrada ao público pela primeira vez, causando grande impacto no ocidente, pois se tratava de uma aeronave totalmente nova e revolucionária, porém o maior medo dos EUA veio com as quebras de records, onde de 1967 a 1977 o Mig-25 quebrou 29 records da aviação mundial, sendo que desses o destaque é o de altitude em absoluto com a marca de 37650 m.
 Os records de razão de subida e de velocidade em circuito fechado também ainda pertencem ao Mig-25.
A maior polêmica causada em relação à aeronave foi a deserção do piloto Viktor Belenko com uma aeronave dessas em 1976. Com a proposta de dinheiro e asilo político oferecido pelos EUA, os pilotos soviéticos eram tentados a desertar com suas aeronaves para o inimigo, que ávidamente carecia de tecnologia. O Mig-25 capturado em 1976 no Japão foi o responsável pelo desenvolvimento do F-15 Eagle, que até hoje é a base da defesa aérea, interceptação e ataque da USAF e de mais 3 países (Israel, Japão e Arábia Saudita).
Ao todo foram produzidas 1190 unidades do Mig-25 (contra 32 Blackbird), dentre eles versões de interceptador, reconhecimento e treinamento, e após a tecnologia da aeronave estar em mãos dos EUA a URSS trabalhou em um novo projeto, também baseado no Mig-25, o Mig-31, nessa época uma grande quantidade dessas aeronaves foi repassada a outros países que ainda o mantém em serviço.
Sua eficiência em combate real veio com sua utilização no Egito no início da década de 70, em missões de reconhecimento as aeronaves russas obtiveram grande sucesso devido a grande velocidade e altitude. O Mig-25 também foi usado com sucesso na Guerra Irã - Iraque, onde os Mig-25 iraquianos abateram outros aviões Mig (anteriores) e helicópteros. Já no conflito entre a Síria e Israel (1981 - 1982) o Mig-25 enfrentou sem sucesso o F-15, que muito mais armado e com tecnologia mais avançada abateu 3 migs sírios. O Mig-25 também foi utilizado na Guerra do Golfo de 1991 onde 2 deles foram abatidos pelos F-15 da USAF. Fontes também fornecem limitada informação sobre o uso de versões de reconhecimento na Guerra de Nagorno - Karabakh entre a Armênia e o Azerbaijão em 1994.
 Em 1997 na Guerra Indo-Paquistanesa, um Mig-25RB da força aérea indiana executou missões de reconhecimento com sucesso sobre território paquistanês.
Sua última aparição em situação real de uso foi em 2002 onde Migs-25 iraquianos abateram um F/A-18 da marinha americana e um drone Predator armado com mísseis Stinger.
Atualmente a Rússia opera somente a versão de reconhecimento, mas outros países ainda operam os interceptadores, os Mig-25 de reconhecimento atuais também podem atuar como bombardeiros transportando até 4000 kg de bombas em 4 cabides sobre as asas. Temos hoje 123 Mig-25 em serviço e 16 estocados no Cazaquistão, os maiores operadores são a Rússia com 42 e a Síria com 40 aeronaves, em terceiro estaria a força aérea líbia, mas com a situação atual do país é difícil dizer quantas aeronaves ainda permanecem em serviço.
 A versão de interceptação aérea foi superada no início da década de 80 pelo Mig-31 e pelo F-15, porém a versão de reconhecimento ainda não possui um adversário à altura. Os Mig-25 foram produzidos em série de 1969 a 1985 e as atuais versões de reconhecimento em serviço são as mais recentes. Ainda é incerta a data de retirada de serviço, mas sem dúvida o Mig-25 é um marco na História da Aviação.
O Mig-25U é a versão de treinamento, onde o instrutor ocupa uma cabine separada do aluno.

Ficha técnica: Mikoyan Gurevich Mig-25RB
Tipo: aeronave de reconhecimento supersônica
Dimensões:
comprimento: 19,58 m
envergadura: 13,38 m
altura: 6,50 m
área alar: 58,9 m²
Pesos:
vazio: 20000 kg
combustível: 15000 litros
normal de decolagem: 37100 kg
máximo de decolagem: 41200 kg
Motores:
2 turbojatos Tumansky R-15BD totalizando 22400 kgf de empuxo
Desempenho:
velocidade máxima: 3400 km/h
velocidade de cruzeiro: entre 2800 a 3200 km/h
teto máximo: acima de 27000 m
teto operacional: de 20000 a 24000 m
decolagem: 1200 m
pouso: 800 m
alcance: normal 2130 km, máximo 2400 km
Armamento:
até 4 toneladas em 4 cabides sobre as asas (4 bombas)
Tripulação: 1
Usuários:
Rússia: 42 Mig-25RB
Síria: 40 no total, sendo 8 Mig-25RB e 1 Mig-25U
Líbia: não se sabe ao certo quantos restaram do lote inicial de 60 aeronaves dos 3 tipos
Azerbaijão: 28, sendo 14 Mig-25RB, 8 interceptadores e 6 Mig-25U
Turcomenistão: 24 interceptadores e treinadores
Argélia: 11, sendo 8 interceptadores e 3 de reconhecimento
Armênia: 1 interceptador
Cazaquistão: 16 na reserva
*
Mais sobre o Mig-25 em:

6 comentários:

  1. Olá Flávio.
    Sou totalmente leigo no assunto mas levando em conta seu conhecimento tenho duas dúvidas.
    1-) E aquele B2 Spirit, só tem design mesmo? Qual o diferencial dele? Pois pelo que li sobre ele sua venda está proibida até mesmo para países aliados dos EUA?
    2-) Naquela compra que está em (eterna) negociação pela aeronáutica qual dos modelos e quais das propostas você acha mais interessante para a realidade brasileira? Pela demora na escolha o que deve estar rolando por trás da decisão?

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O B-2 ele é stealth entao nao é facil ver ele no radar ele é um bombardeiro estrategico

      Excluir
  2. 1) O B-2 é o único baombardeiro estrátégico furtivo no mundo, seu design diferenciado é para a absorção das ondas de radar adversárias. Os EUA só operam 21 aviões desse porte e NUNCA mais exportaram nenhum tipo de avião estrátégico depois que a URSS copiou o B-29 Stratofortress (na 2º Guerra Mundial). Os EUA proíbem a venda de um caça convencional como o F/A-18E para países aliados, quanto mais sua melhor arma estratégica !

    2) A melhor opção é o Rafale, pq o Brasil já domina a tecnologia dos caças franceses, aprendida desde a década de 60 com os Mirage... A demora se deve ao fato do governo estar mais interessados em 'outros assuntos' que não a defesa.

    ResponderExcluir
  3. Desculpe Flávio mas o Rafale não é o melhor negocio , nem é a melhor aeronave , não acredito que esse FX-2 vá ser "finalizado" , pelo andar da carruagem vamos ter o fx-3 e etc ... em relação a "dominio" de tecnologia dos Mirage, essa informação nao procede, os Mirage III adquiridos nos anos 70 foram compras de prateleira, a industria nacional nao ganhou em nada ... mesma coisa com o leasing dos 12 Mirage-2000 em 2005 - atualmente . pode ser que o Brasil tenha uma pré disposição a usar porcarias francesas , mas isso já é outra coisa . em tempo os EUA "liberaram" o F/A-18E/F para o Brasil, que dos 3 do fx é o melhor ... tanto para combate, autonomia , custo hora/voo e compensação industrial.

    ResponderExcluir
  4. Sim Izual, já comentei por aqui sobre o F/A-18E/F que sem dúvida seria o ideal desde que os EUA nos fornecesse constante atualizações, para que não ocorra o mesmo que está ocorrendo com os caças americanos da IRIAF e da Venezuela. O Rafale sem dúvidas é inferior ao Super Hornet, porém superior ao Gripen, e certamente é muito mais fácil de operar, pois como vc disse, mesmo sem 'dominarmos a tecnologia para construir um Mirage' dominamos sua operacionalidade, já que é compatível aos sistemas de apoio brasileiros.

    Do F/A-18E/F e do Gripen a tecnologia referente a sistemas de apoio ao caça são totalmente diferentes.

    Concordo plenamente com vc sobre o FX-3, pois pelo que parece a Dilma está a fim de intensificar a compra de armamento russo... daí pode voltar à concorrência o Sukhoi e o Mig-29, ambos totalmente fora dos padrões brasileiros...

    ____________________________

    PS. Gostei do teu perfil ! kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Grato pela participação.

    ResponderExcluir
  5. Não era o mig-29, e sim o SU-35 de longe a aeronave mais moderna e poderosa dessa lista, o único quarta geração e meia, so perde para os quinta geração devido a não ser furtivo(que na verdade ja foi superado pelos modernos radares), de resto é uma das aeronaves mais poderosas do mundo.

    ResponderExcluir